CHARLES “DO BRONX” OLIVEIRA: O MAIOR FINALIZADOR DO UFC E SUA PREPARAÇÃO NO VITA

 In Notícias, Sem categoria

“Cheguei excelente para o combate: sem nenhuma lesão. Estou vindo de um ritmo muito bom de treinos e lutas”, revelou Charles “do Bronx” Oliveira, o atleta de 29 anos que, no último fim de semana, conseguiu sua 13ª finalização, consolidando-se, cada vez mais, como o maior finalizador da história do UFC.

Na noite do dia 2 de fevereiro, o atleta brasileiro de MMA, Charles “do Bronx” Oliveira, consolidou-se, ainda mais, como o maior finalizador da história do UFC. Para a luta que lhe rendeu a 13ª finalização da carreira, o atleta da tradicional e renomada academia Chute Boxe – Diego Lima fez os exames médicos exigidos pelo UFC com o ortopedista Dr. Alberto Terrivel e a preparação física com o preparador Adailton da Silva, ambos do Vita. A Chute Boxe – Diego Lima e o Vita são parceiros de longa data.

“Foram feitos: exame de sangue, conforme as exigências do UFC; tomografias e ressonância de crânio; bem como um eletrocardiograma. Os resultados de Charles foram excelentes”, explica Dr. Terrivel. O que os exames constataram, Charles sentiu antes e durante a luta, o que ajuda a explicar o resultado final. “Cheguei excelente para o combate: sem nenhuma lesão. Estou vindo de um ritmo de treinos e lutas muito bons”, revelou o atleta de 29 anos, da categoria peso-leve.

MAIS UMA FINALIZAÇÃO E MUITA EVOLUÇÃO

Charles do Bronx venceu por finalização mai uma vez, mas a vitória começou com uma linda cotovelada em David Teymur.

O número de finalizações não deixa dúvida quanto à competência de Charles do Bronx no jiu-jitsu, mas, na Chute Boxe, ele tem trabalhado, intensamente, a luta em pé, conhecida também como “trocação”.

Do Bronx enfrentou o sueco David Teymur, que estava invicto no UFC. A luta aconteceu no Centro de Formações Olímpicas em Fortaleza (CE) e foi uma das atrações do card principal do UFC Fight Night 144.

No primeiro round, Charles do Bronx teve de superar adversidades que começaram quando Teymur acertou seu olho direito com o dedo, o que lhe prejudicou a visão e o irritou bastante. Mas, no segundo round, o brasileiro acertou uma plástica cotovelada no adversário, abrindo assim o caminho para mais uma finalização.

“Fiquei muito feliz com a luta em si. Após o dedo no olho, acho que perdi um pouco a cabeça, mas, rapidamente, depois que meus treinadores falaram comigo, eu me acalmei e mantive a estratégia de luta”, explicou do Bronx.

O número de finalizações não deixa dúvida quanto à competência de do Bronx no jiu-jitsu, mas, na Chute Boxe, ele tem trabalhado, intensamente, a luta em pé, conhecida também como “trocação”. “Charles evoluiu demais, cada dia que passa ele está mais confiante na ‘trocação’, o que deixa seu jogo ainda mais perigoso para os adversários”, diz seu treinador, Diego Lima.

UMA PARCERIA QUE ASSISTE E DÁ CONFIANÇA

Charles do Bronx (à esquerda), Dr. Alberto Terrível (ao centro) e Diego Lima no Vita, alguns dias antes da luta que renderia a 13ª finalização a do Bronx.
Charles do Bronx (à esquerda), Dr. Alberto Terrivel (ao centro) e Diego Lima no Vita, alguns dias antes da luta que renderia a 13ª finalização a do Bronx.

“Além de ter todo o respaldo médico, para qualquer tipo de lesão, também faço minha preparação física no Vita. Está tudo sincronizado para que eu dê o meu melhor com menos riscos de lesão.”

“A luta é um esporte que exige muito dos atletas, que passam por muitas lesões, dietas, desgastes… Enfim, ter o acompanhamento de uma equipe profissional como a do Vita faz com que eles estejam sempre prontos para competir da melhor maneira possível em alto nível”, diz Lima.

“Contar com o Vita nos dá ainda mais confiança. Além de ter todo o respaldo médico, para qualquer tipo de lesão, também faço minha preparação física no Vita. Está tudo sincronizado para que eu dê o meu melhor com menos riscos de lesão”, completa Charles do Bronx.

Recommended Posts

Leave a Comment